De dia 2 a 4 de julho irá ter lugar uma nova edição do Encontro Ciência, que pretende promover o debate alargado dos principais temas e desafios da agenda científica para além do universo da investigação, envolvendo investigadores, empresários e público em geral. Esta iniciativa é promovida pela Fundação para a Ciência e Tecnologia, em colaboração com a Agência Nacional de Cultura Científica e Tecnológica Ciência Viva, e a Comissão Parlamentar de Educação e Ciência, tendo o apoio institucional do Governo através do Ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior. O evento decorre no Centro de Congressos de Lisboa. A entrada é livre, mas sujeita a inscrição.

Neste evento vão participar 2 doutorandos do CEI-IUL com apresentação das suas teses sob formato de poster, e 3 investigadoras pós-doc, com comunicações orais.

Comunicações em poster:

  • David Ferreira: A securitização da Rússia, como um país detentor de armas nucleares
  • Mónica Canário: A Europeização como ferramenta de empowerment de mulheres na Política Europeia de Vizinhança? Os casos de Marrocos e da Tunísia

 

Comunicações orais:

  • Ana Margarida Esteves | Promovendo a “economia circular” e o “crescimento qualitativo”: Perspetivas de articulação entre os movimentos dos Bens Comuns e da Economia Solidária – 3 julho, às 11h30

Como poderia um diálogo entre os movimentos dos Bens Comuns (“Commons”) e da Economia Solidária promover formas de ação coletiva orientadas para a que Henderson e Capra (2014) chamam de “crescimento qualitativo”, através da promoção de estratégias de “economia circular” que também promovam a inclusão social e o aprofundamento da democracia? Este artigo explora as possibilidades de tal diálogo, com base na articulação das seguintes premissas:

a) Uma economia política baseada na articulação de “espaços públicos de proximidade” (Laville, 2011) em que a ação coletiva é orientada para a expansão dos direitos sociais e econômicos;

b) Uma ecologia política que fundamente a “economia fundacional” (Conaty, 2015), na promoção de sinergias sustentáveis ​​entre o ser humano e o mundo natural.

Estas premissas baseiam-se na análise crítica de três estudos de caso de “economias alternativas”, representando diferentes abordagens da gestão dos Bens Comuns e da Economia Solidária: uma ecoaldeia (Tamera, Portugal), uma rede de comercialização baseada em princípios de economia solidária (Esperança / Cooesperança, Brasil) e uma “cooperativa integral” baseada em moedas alternativas (Cooperativa Integral Catalana). O trabalho de campo foi realizado nesses projetos entre 2015 e 2017.

 

  • Giulia Daniele | Movimentos de mulheres na Palestina/Israel: práticas, lutas e desafios internos – 4 julho, às 11h30

Esta comunicação aborda o papel das mulheres no contexto do ativismo social e político de base nos Territórios Palestinianos Ocupados (Cisjordânia) e em Israel. Tendo em conta a peculiaridade das duas sociedades -palestiniana e israelita-, serão tidas em consideração abordagens teóricas e práticas políticas adoptadas pelas diferentes formas de ativismo das mulheres. Nesse sentido, especial atenção será prestada à análise das relações assimétricas, discriminações internas e desigualdades crescentes entre as mulheres ativistas que participaram nos principais projetos conjuntos israelo-palestinianos após os Acordos de Oslo. A heterogeneidade das organizações políticas e sociais na Palestina e em Israel a par do papel crucial das mulheres podem constituir um campo de análise muito desafiante ao ir de encontro às principais questões relativas ao atual status quo no terreno.

 

  • Ana Isabel Xavier | Desarmar, Desmobilizar, Reintegrar? Estratégias e políticas de desradicalização e contraradicalização na Europa – 4 julho, às 15h30

Desde o início do ano de 2015, com o atentado ao jornal satírico Charlie Hebdo em Paris, até ao ataque nas Ramblas em Barcelona a 17 de agosto de 2017, vários Estados-membros da União Europeia têm sofrido diretamente a ameaça terrorista de natureza jihadista nos seus territórios. Acresce que se estima que, só no Reino Unido, França, Bélgica e Alemanha, o número de extremistas radicais atinja os 66 000, excluindo os milhares que, por toda a Europa, continuam a ser monitorizados como potenciais jihadistas. A realidade é inquestionável: milhares de pessoas, já radicalizadas ou em risco de se radicalizarem, encontram-se no espaço europeu, muitos detentores da cidadania de um dos Estados-membros da União, em exclusividade ou em acumulação com a cidadania de um Estado terceiro da União. Por isso, a questão que hoje é devolvida aos Estados-membros da União Europeia já não é só que políticas de segurança interna desenvolver para prevenir e reagir contra atentados terroristas, mas também que estratégias desenvolver, em termos de políticas públicas de segurança interna e defesa nacional, para desarmar, desmobilizar e reintegrar estas milhares de pessoas, numa lógica de paz e justiça sustentáveis.

 

Temas: , , , ,