Seminário de Estudos Africanos

 

 “Os meus filhos vão sentir a doçura da Guiné”
Igrejas Evangélicas, futuro e messianismo entre Bissau e Lisboa

Ambra Formenti (ICS-UL)

 

Auditório C1.04, Ed. II | 18h00 | 19 de março

Aspirações individuais e colectivas, esperança e sonhos de uma vida melhor, são objecto de uma tendência recente em antropologia, que explora as formas plurais em que as pessoas são envolvidas em imaginar, pensar e produzir o seu futuro.
Nesta contribuição, baseada num capítulo da minha dissertação, vou me concentrar na temporalidade específica vivida pelos evangélicos guineenses, tanto na diáspora como em pátria.

Ambra Formenti licenciou-se em Filosofia na Universidade de Turim em 2002, e está a frequentar o Doutoramento em Antropologia no ICS (UL). A sua pesquisa visa explorar o papel da religião nos processos de construção identitária entre grupos de migrantes. O seu trabalho de campo (2010-2013) concentrou-se nas igrejas evangélicas frequentadas por migrantes guineenses na Grande Lisboa, mas incluiu uma breve estadia em Bissau.

 

ambra