Workshop sobre as necessidades especiais das vítimas de sinistralidade rodoviária e cooperação interdisciplinar

O CEI-IUL é parceiro desta iniciativa com a Associação de Cidadãos Auto-Mobilizados e a Associação Belga Rondpunt. Este workshop pretende dar a conhecer os resultados de um projecto sobre a necessidade  e importância de práticas de justiça restaurativa em casos de sinistralidade rodoviária.

A entrada é livre, mas sujeita a inscrição através do formulário.

 

 

About the Workshop:
Despite the fact that road traffic crashes occur on a daily basis, its victims are often perceived as collateral damage of the way we want to live our lives and uphold our levels of mobility. As a consequence, society at large but also professionals, do not always approach road traffic victims properly.
By not realising the impact of a traffic crash on victims’ lives, professionals often do not inform them about and refer them to the appropriate support services. This can cause extra harm and might even lead to secondary victimisation. In other words, since road traffic victims are often not recognised as ‘victims’, they are at risk of not knowing their rights and of not receiving support at all.
Consequently, Rondpunt, together with the University of Leuven (the Leuven Institute of Criminology) and Moderator (a Belgian restorative justice service), wants to gain more recognition for these victims and improve the accessibility of support.
In our EU funded project ‘Victims of road traffic offences’, which has started in March 2017, we organise trainings on the specific needs of road victims and how they can be met through interdisciplinary cooperation between victim support and other services. Within the project, we pay special attention to the need and importance of restorative justices practices in road traffic cases. At the training, we would like to present our findings with regard to the specific needs of this target group, which will be accompanied by a participatory video made by a road victim. Afterwards, we would like to discuss some good practices and the blueprint and manual we have developed on interdisciplinary cooperation and restorative justice practices.
Sobre o Workshop:
Apesar dos desastres rodoviários ocorrerem diariamente, as suas vítimas são muitas vezes vistas como danos colaterais do nosso estilo de vida e dos nossos hábitos de mobilidade. Como consequência, a sociedade em geral e também os profissionais que com elas lidam nem sempre abordam as vítimas de sinistralidade rodoviária da maneira mais adequada. Não compreendendo o impacto que um desastre rodoviário tem na vida das suas vítimas, os profissionais geralmente não as informam sobre nem as encaminham para os serviços de apoio mais apropriados. Tal pode causar danos adicionais e pode até conduzir à vitimização secundária. Por outras palavras, uma vez que as vítimas de desastres rodoviários não são muitas vezes sequer reconhecidas como “vítimas”, correm o risco de não conhecer os seus direitos e de não receber apoio algum.
Assim, a Associação belga Rondpunt, em parceria com a Universidade de Leuven (Instituto Leuven de Criminologia) e a Moderator (um serviço de justiça restaurativa belga), pretendem obter mais reconhecimento para as vítimas de desastre rodoviário e melhorar a acessibilidade aos apoios que necessitam. No nosso projeto, financiado pela UE, «Victims of road traffic offences», que teve início em Março de 2017, organizamos formações sobre as necessidades específicas das vítimas da estrada e como estas podem ser mitigadas através da cooperação interdisciplinar entre o apoio às vítimas e outros serviços. No âmbito do projecto, damos especial atenção à necessidade e importância de práticas de justiça restaurativa em casos de sinistralidade rodoviária.Nesta workshop, apresentaremos os resultados do nosso estudo quanto às necessidades específicas deste grupo-alvo,apresentação que integrará um vídeo participativo feito por uma vítima de sinistralidade rodoviária. Em seguida, serão apresentados exemplos de boas práticas, o resumo do projecto e o manual que desenvolvemos sobre cooperação interdisciplinar e práticas de justiça restaurativa.