CEI-IUL organiza a VIII Conferência da Rede Ibero-americana (RIBEI) subordinada ao tema “Há lugar para um espaço Ibero-Americano?”, que decorre entre os dias 5 e 7 de novembro no ISCTE-IUL.

A Rede RIBEI é formada por 45 centros de investigação e think tanks especializados no estudo das relações internacionais, e tem o objetivo de analisar e debater o futuro da região Ibero-americana e América Latina no mundo, com uma perspetiva estratégica.

Ao longo de três dias, através de mesas redondas e painéis temáticos, irão ser debatidos os desafios que o contexto internacional atual coloca ao futuro da ordem multilateral que moldou as relações internacionais nas últimas décadas. A eminente celebração da XXVI Cimeira Ibero-Americana em Antígua, Guatemala, e a XIII Cimeira do G-20 em Buenos Aires, na Argentina, visam refletir sobre a projeção temporal do espaço ibero-americano na sociedade atual e, especialmente, no futuro do próprio projeto ibero-americano. Para dar um contexto apropriado a esta reflexão a VIII Conferência Internacional do RIBEI irá incidir sobre diversas questões como o novo cenário geopolítico, os problemas de desenvolvimento e a evolução da democracia, a revolução tecnológica, o futuro das relações transatlânticas e as opções de convergência.

 

Programa:

5 novembro

  • Atividades Internas RIBEI – Assembleia Geral RIBEI reservada exclusivamente aos membros da rede

 


6 novembro

09:00 – 09:30 | Abertura 

Maria de Lurdes Rodrigues, Reitora do ISCTE-IUL

Janina Onuki, Presidente da RIBEI

Luis Nuno Rodrigues, Diretor CEI-IUL

Ana Paula Laborinho, Diretora OEI Portugal

Augusto Santos Silva, Ministro dos Negócios Estrangeiros de Portugal

 

 


 9:30-11:00 | Mesa-redonda 1: O novo cenário geopolítico e os desafios às relações internacionais Euro-latinoamericanas
Temas:
  1. Protecionismo e Globalização
  2. O ciclo eleitoral Latino-americano (2018-2019)
  3. O Brexit na Europa

A chegada de Donald Trump à Casa Branca influenciou as relações internacionais, especialmente os espaços de diálogo e interação multilaterais. Nesta perspetiva, o crescente protecionismo observado em alguns países, e a ameaça de guerras comerciais, afeta tanto o comércio internacional e o processo de globalização, como as relações euro-latinoamericanas. Esta mesa tem como objectivo analisar estas questões, assim como a analisar como a nova reconfiguração do ambiente político regional, afetam as relações bi-regionais.

Oradores: 
  • Andrés Malamud, Investigador Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa
  • Luis A. Fretes Carreras, Investigador Centro de Estudos Internacionais ISCTE-IUL
  • Vicente Palacio, Profesor Asociado Ciencia Política, Universidad Carlos III de Madrid

Moderadora: Triana Aybar, Analista e Investigadora de Temas Internacionales de la Unidad de Análisis y Proyectos Especiales (UNAPE), FUNGLODE.

 


11:00-11:15 | Coffee break


11:15-12:45 | Mesa-redonda 2: Desenvolvimento, democracia e a relação birregional: Possíveis limites e oportunidades para a convergência entre América Latina e Europa
Temas:
  1. A negociação UE-Mercosul
  2. A suspensão da cimeira UE – CELAC

Esta mesa pretende abordar as relações euro-latinoamericanas, tendo em conta fatos relevantes para o seu futuro, como as negociações em torno do acordo EU-Mercosul ou a Cimeira EU-CELAC, esta última, cancelada e substituída por um encontro de ministros/representantes do governo. Um dos temas que irá ser abordado, é o futuro da relação birregional da perspetiva da democracia e desenvolvimento económico.

 

Oradores: 
  • Nuno Gama de Oliveira Pinto, Investigador Centro de Estudos Internacionais ISCTE-IUL
  • Carlos Malamud, Investigador principal para América Latina, Real Instituto Elcano
  • Juan Pablo de Laiglesia y González de Peredo, Secretario de Estado de Cooperación Internacional y para Iberoamérica y el Caribe

Moderador: Cástor M. Díaz Barrado, Catedrático, director del Centro de Estudios de Iberoamérica (CEIB) Universidad Rey Juan Carlos

 


12:45-13:45 | Almoço livre


14:30-16:00 | Mesa 3: As oportunidades da Europa e da América Latina no G-20
Temas:
  1. A Internacionalização das empresas
  2. As dinâmicas do comércio e os investimentos

O contexto internacional está a afetar diferentes espaços de diálogo multilateral, como o G20. Este ano, coube à Argentina a responsabilidade de organizar e gerir a cimeira do G20. Tanto a UE como a América Latina têm uma importante presença nesta cimeira, surgindo assim a necessidade de refletir sobre as oportunidades que a partir daqui se abrem à relação birregional tanto da perspetiva da internacionalização das empresas, como do comércio e dos investimentos.

Oradores:
  • José Félix Ribeiro, Investigador IPRI-NOVA Lisboa
  • José María Lladós, Director Ejecutivo, Consejo Argentino para las Relaciones Internacionales

Moderadora: Cátia Miriam Costa, Investigadora Centro de Estudos Internacionais ISCTE-IUL


16:00-18:00 | Mesa 4: Opções de Convergência inter e extrarregionais face às mundanças políticas
Temas:
  1. A aliança do Pacífico e Mercosul
  2. A crise humanitáira da Venezuela
  3. China e Rússia na América Latina

A América Latina, atravessa uma conjuntura muito particular dadas as mudanças políticas que têm acontecido. Nesta mesa será revista a forma como estas mudanças afetam os diversos processos inter- e extrarregionais que estão a acontecer, como a convergência entre a Aliança do Pacífico e Mercosul, ou as repercussões da crise humanitária que se vive na Venezuela. A presença de atores extrarregionais, como a China e a Rússia, também será objeto de discussão.

Oradores:
  • Fabián Novak, Consejo Directivo Instituto de Estudios Internacionales (IDEI) Pontificia Universidad Católica del Perú
  • Renato Flôres, Professor, Diretor do Núcleo de Prospecção e Inteligência Internacional, Fundação Getúlio Vargas

 Moderador: Sergio Abreu, Presidente del Consejo Uruguayo para las Relaciones Internacionales- CURI

 


7 novembro

9:00-10:30 | Mesa-redonda 5: Qual o futuro da relação Atlântica?
Temas:
  1. A política externa dos Estados Unidos
  2. A política externa da União Europeia
  3. A política externa da América Latina e África

A relação transatlântica deve incluir para além da UE e dos Estados Unidos da América, a África e América Latina. O fortalecer do espaço atlântico alargado é fundamental para equilibrar a deriva do Pacífico, que tanto pode afectar o futuro da relação euro-latinoamericana.

Oradores:
  • Ana Isabel Xavier, Investigadora Centro de Estudos Internacionais ISCTE-IUL
  • Daniel Marcos, Investigador IPRI-NOVA Lisboa
  • Paulo Neves, Presidente Instituto para a Promoção da América Latina e Caraíbas, IPDAL

Moderador: Pol Morillas, Director del Barcelona Centre for International Affairs, CIDOB

 


10:30-10:45 | Coffee Break


10:45-12:15 | Mesa-redonda 6: Desenvolvimento tecnológico, alterações climáticas,  e mundo laboral – que acções podem a UE e AL realizar conjuntamente?

A globalização está a ser profundamente afectada tanto pelo desenvolvimento tecnológico acelerado (a revolução digital) como pelas alterações climáticas, que estão a influenciar cada vez mais a vida quotidiana. As repercursões sociais destes fenómenos, especialmente da perspetiva da configuração do mundo do trabalho, são cada vez mais importantes. Esta mesa pretende analisar não só a dimensão destes processos, mas também da margem que deixam para a colaboração birregional.

Oradores:
  • Carmen Fonseca, Investigadora IPRI-NOVA Lisboa
  • José Marcos Mavungo, Investigador Centro de Estudos Internacionais ISCTE-IUL
  • Lara Lázaro Touza, Investigadora principal, Real Instituto Elcano

 Moderador: Marcelo Moriconi, Investigador Centro de Estudos Internacionais ISCTE-IUL


 

12:15-12:30 | Encerramento

Luis A. Fretes Carreras, Coordinador RIBEI 2018, CEI-IUL

Carlos Malamud, Investigador Principal para América Latina, Real Instituto Elcano, Secretario Ejecutivo de RIBEI

Janina Onuki, Presidente de RIBEI

Ignacio Uriarte Ayala, Director de Planificación de la Secretaría General Iberoamericana