A 3ª edição doPensar África irá ter início no dia 27 de setembro, pelas 18h, com a oradora convidada Jamile Borges (Universidade Federal da Bahia) que apresentará uma comunicação intitulada “Etnografias Digitais: como pensar África em contextos tecnopolíticos”. Poderá também assistir à sessão através de live stream.

Etnografias Digitais: como pensar África em contextos tecnopolíticos

Reconhecendo que a marca principal da tradição etnográfica é a busca da alteridade, interrogando o lugar do “Outro” tentando identificar aspectos de sua realidade nem sempre facilmente inteligível, o que se pretende com esta conferência é propor uma nova abordagem para a etnografia das expressões culturais contemporâneas, refazendo os esquemas vigentes de interpretação de temas como identidade, relações raciais, sexualidade, pertença étnica, hibridismo cultural, multiculturalismo, reforçando o que também já anunciara Clifford Geertz há pouco mais de duas décadas, de que o etnógrafo se move num campo de gêneros disciplinares quase sempre difusos ou imprecisos. Com os novos jogos geopolíticos, a virada linguística, a revisão dos estudos culturais e a entrada em cena do pensamento da subalternidade, que encontra em G. Spivak e W. Mignolo amparo e aporte teórico- metodológico, será preciso reconstruir em novas bases o duro, mas necessário exercício etnográfico. Nesse sentido, o desafio neste trabalho é refletir sobre uma etnografia que permita compreender os meandros, os fios e rastros com que vem se tecendo a criação de novos campos semânticos que incorpore as novas plataformas/softwares digitais ou em última instancia, uma etnografia digna de ser respeitada, ainda que tecida em outros contextos, menos canônicos e mais complexos.