A problemática das relações Estado-Autoridades Tradicionais, só a partir dos anos 80 volta a ter a importância que teve, por exemplo, no período que mediou o fim da 2ª Guerra Mundial e o início das independências africanas. Com efeito, nos anos 60 e 70, a problemática das relações Estado-Autoridades Tradicionais perdeu muita da sua antiga importância científica e o Estado passou a ser o centro de todas as atenções analíticas, como o único e exclusivo factor político dos países africanos recém-independentes: vide, no quadro ideológico da época, o agente social e político de desenvolvimento e de “modernidade”. Naturalmente que, para além das questões sobre a natureza do Estado, estão também subjacentes as questões das Autoridades Tradicionais.

Índice

Introdução
1. O Estado africano face às Autoridades Tradicionais no pós-independência em África
2. Processos de liberalização política, Estado e Autoridades Tradicionais em África
3. Estado e Autoridades Tradicionais no campo político em África: zero sum game ou dilema do prisioneiro?
4. A construção do Estado colonial europeu em África: particularidades e objectivos
5. Estado colonial europeu e Autoridades Tradicionais em África
6. Comunidades sócio-políticas pré-coloniais e Autoridades Tradicionais em África
7. Fundamentos da legitimidade das Autoridades Tradicionais na África pré-colonial
Conclusão
Bibliografia

Edicao Digital