Palavras-chave

feitiçaria, igreja, libertação, cura

Resumo

Nas suas mais variadas formas de culto, a religião continua a ser um importantíssimo espaço de socialização e harmonização psicológica entre os homens na terra, constituindo na mais alta expressão da crença em elementos materiais ou espirituais que intercedem para o bem ou para o mal na vida das pessoas. O conjunto de crenças religiosas africanas consolidadas ao longo dos séculos, a presença do Cristianismo e sua adequação às realidades encontradas tem resultado num generalizado sincretismo que pelas dimensões alcançadas se expande desmesuradamente pelo mundo. Para além do sincretismo religioso que valoriza a bíblia e a figura de Cristo como centrais nos seus cultos, existem também outras formas de culto que se baseiam no culto aos antepassados – este processo releva, no contexto angolano, a circulação entre feiticeiros, quimbandas,  santas,  igrejas  e  hospitais.  Nesta  lógica  de  pensamento,  o  trabalho  que  me proponho apresentar tem como tema Os Profetas e a Cura Pela Fé. Um Estudo Antropológico na Igreja Jesus Cristo Salvador do Lubango, em que ponho em evidência o quotidiano dos fiéis da Igreja Jesus Cristo Salvador, tendo em conta as suas realizações e constrangimentos na busca de harmonização psicológica e cura. A frequência e permanência na igreja impõe um conjunto de limitações  em termos de consumo excessivo de bebidas alcoólicas, tabaco e prática de relações sexuais com vários parceiros e, contrariamente, reforça a oração com devoção e as deslocações periódicas ao monte para efeitos de purificação e cura. Ao quadro de integração na igreja destaca-se também a reformulação das redes de sociabilidades pois, a concretização e manutenção da fé em Deus com base nos “sacrifícios” acima evocados só é possível caso a socialização esteja orientada para membros do mesmo “corpo doutrinário”. A particularidade das sociabilidades é também assim orientada por imposição dos rituais de cura que são antecedidos de uma espécie de diagnóstico que identifica o possível prevaricador, do qual, os fiéis se devem manter distanciados para não retroalimentar o mal. Os processos de cura são orientados pelo profeta, apóstolo, pastor ou doutor que realiza m uma corrente de libertação baseada em atos de exorcismos para motivar os fiéis em relação a possibilidade de cura, combinando este procedimento com outras formas de tratamento (cerimónia de luz; fumaça; oração diária; unção com óleos ou azeite; toma de chás; purificação de residências; peregrinação ao monte) a realizar durante um período de tempo que varia em função da patologia.