Asante: construção histórica ou realidade política?

A presente investigação desenvolve-se em torno da temática das relações políticas tecidas entre o Estado ganês e as Autoridade Tradicionais Asante, em contexto “pós-colonial”, na região Ashanti. O propósito científico desta tese, consubstancia-se na demonstração da existência de uma governação política dualista nesta região do Gana, promovida por legitimações políticas procedentes de duas matrizes político-culturais historicamente diferenciadas: a primeira, escora-se no moderno sistema político do Estado ganês, cuja legitimidade assenta, sobretudo, num aparelho burocrático-racional que deriva do primado das normas jurídicas e dos preceitos constitucionais. A segunda, funda-se no tradicional sistema político Asante, no qual a “produção do político” e os códigos simbólicos do sagrado constituem um todo coerente e indissolúvel. Neste sentido, a coexistência de lógicas legitimadoras antagónicas, “abre a porta” a uma situação política concorrencial mais ou menos velada: se as bases da legitimidade política do Estado ganês e das Autoridades Tradicionais Asante não são as mesmas, então ambas as partes podem defender que a sua autoridade política é legítima sem recorrer à negação da legitimidade política da outra parte, limitando-se a reivindicar que ela se exerce numa esfera distinta da sua. Com ou sem esferas de atuação separadas, o facto é que estes agentes políticos posicionam-se relacionalmente no campo político da região Ashanti. Pelo que, em termos práticos, se encontram desde o período colonial em permanente relação política, competindo, cooperando ou interdependendo entre si, em função das espécies de capital de que dispõem e das estratégias políticas que convocam em determinada conjuntura histórico-política, “institucionalizando” assim um paradoxo político que edificou uma dualidade política na governação, perdurante até aos dias de hoje.

 

Sobre o orador

Politólogo, investigador do CEI – ISCTE-IUL no âmbito dos projectos “Estado, autoridades tradicionais e modernização política: O papel das autoridades tradicionais no processo de mudança política em África”, “Dinâmicas sociais na estruturação dos espaços políticos em contextos rurais africanos” e “Identidades e fronteiras em África”, financiados pela FCT. O autor tem diversos trabalhos científicos publicados sobre Moçambique, de entre os quais se destacam os livro Mfumo e (Ti)Hosi: Figuras do Político em Moçambique (2006, Lisboa: UNL/AER, 322 pp) e Moçambique: memórias sociais de ontem, dilemas políticos de hoje (2009, Lisboa: Gespress/CEA-IUL, 354 pp). Actualmente, desenvolve o seu trabalho de investigação na especialidade de Estruturas políticas e dinâmicas sociais em África, com particular destaque para o Gana.