O tema da prossecução dos estudos para além da escolaridade obrigatória é particularmente estimulante, pois trata-se, em parte, de um ato de vontade de sujeitos (e de famílias), pressupondo tomadas de decisão que encontram, no entanto, limites no interior de contextos sociais específi cos que funcionam como estruturas dinâmicas de enquadramento.
Em parte, e noutro tipo de situações, poderá enquadrar-se em projetos menos autónomos (o caso dos estudantes bolseiros do Estado) mas sempre negociados ou negociáveis. Estimulante ainda porque se constrói com base na antecipação de retornos positivos desse investimento, quer em termos económicos (situação no emprego e na economia em geral), quer em termos simbólicos (reconhecimento social) e psicológicos (reforço da dignidade humana e da autoestima individuais).

Table of Contents

Introdução (5-16)
Margarida Lima de Faria, Ana Bénard da Costa
I PARTE
Cooperação portuguesa com os PALOP ao nível do ensino superior: Impactos e desafios (19-38)
Ana Bénard da Costa
Evolução e crescimento do ensino superior em Angola (39-62)
Paulo de Carvalho
Para uma dimensão transnacional do ensino superior em Moçambique (63-86)
Francisco Noa
II PARTE
Formação de estudantes universitários moçambicanos em Portugal (89-131)
Ana Bénard da Costa, Eleonora Rocha
Educação avançada e desenvolvimento. Formação de estudantes angolanos em Portugal (133-182)
Margarida Lima de Faria, Ermelinda Liberato
Representações sobre a evolução do ensino superior em Angola e o impacto da Formação Avançada em Estudos Africanos (ISCTE) nos percursos dos estudantes angolanos (183-208)
Carlos M. Lopes
Cabo Verde e São Tomé e Príncipe: Ensino superior e trajetórias em Portugal (209-243)
Gerhard Seibert
Formação superior e mobilidade social na Guiné-Bissau (245-274)
Tcherno Djalo